12 de abr de 2012

A SECULAR TERRA DO DIVINO


Pela oralidade, o início do Arraial do Espírito Santo se deu com os fugitivos da Guerra dos Emboabas, no início do século XVIII. Segundo uma das versões contadas por memorialistas, Manoel Fernandes Teixeira chega em 1684 na pacata Passagem do Itapecerica. O desbravador e quase bandeirante fixou-se as margens do rio Itapecerica, habitada também, pelos índios Candidés.



DIVINÓPOLIS: HISTÓRIA – MEMÓRIA
Praça da matriz - início da ocupação do Espírito Santo do Itapecerica
 
Em 1770, Manoel Fernandes Teixeira doou o terreno para aconstrução de uma capela; hoje, correspondente ao local onde se encontra a CATEDRAL – erguida em devoção ao Divino Espírito Santo e a São Francisco de Paula.

Já em 1870, Tomaz Teixeira e Francisco Araújo Sá se estabeleceram no sertão do Espírito Santo do Itapecerica.

Por sua posição geográfica privilegiada, o Arraial do Espírito Santo do Itapecerica, tornou-se importante rota de comércio, o que muito contribuiu na concentração de pessoas para o surgimento e fixação de uma população nascedoura.

A inauguração da Estação Henrique Galvão, em 1890 proporcionou um grande avanço tecnológico e crescimento populacional – favorecendo as condições que mais tarde a levaria a sua emancipação.

Há mais de duzentos anos por aqui já se registrava a presença de uma população ainda tímida; muito pequena.

O primeiro governo municipal se instalou por aqui, em Junho de 1912.O primeiro chefe do executivo, registrado nos anais da história do município foi Antônio Olímpio de Morais.

C U R I O S I D A D E S

A “Cidade do Divino ” Já teve as seguintes denominações:

        • Passagem do Itapecerica
        • Arraial do Espírito Santo do Itapecerica
        • Distrito do Espírito Santo
        • Villa de Henrique Galvão
        • Villa de Divinópolis e por fim;
        • Divinópolis

A cidade já pertenceu as seguintes Comarcas:

      • Sabará
      • Tiradentes
      • Pitangui
      • Itapecerica

Rodovias que dão acesso à cidade:

      • MG 050
      • BR 494

Divinópolis está situada a:

      • 106 km de Belo Horizonte
      • 822 km de Brasília
      • 520 km do Rio de Janeiro
      • 540 km de São Paulo

OBS: I) O Reinado/Reisado é praticado por aqui há mais de 100 anos. A devoção e a tradição de um povo podem ser demonstradas facilmente nas festas realizadas no mês de Agosto. A Missa Conga e o Café de São Benedito são manifestações que ocorrem anualmente. A Irmandade do povoado de Branquinhos e de Nossa Senhora do Rosário possuem mais de 130 anos.

II) Na década de sessenta, Frei Mariano – O.F.M., administrava a assistência social na região de forma racional e cristã; minimizando os problemas de sobrevivência da população carente.

III) José Jaime Soares era o maior latifundiário. Ele era proprietário das fazendas: Patrimônio, da Cachoeira, do Choro, de Barreiro, dos Costas, da Mata da Onça, do Campo Formoso e do Pará (ou Fundão).

IV) A década de 70 é marcada pela difusão das instalações de Centros Comunitários e pelo incentivo governamental para o reflorestamento através do eucalipto.



C R O N O L O G I A

  • 1710 O governador de Minas – Antônio de Albuquerque Coelho de Carvalho intima os “CANDIDÉS” a serem proscritos voluntários e a se afastarem de Minas. Vieram então, se esconder em nossas terras (entre Barbacena e Pitangui). Depois de muito andar, instalaram-se à Cachoeira Grande, local que denominaram: Passagem do Itapecerica.

  • 1730 Anistia de Manuel Fernandes Teixeira (Candidés, que se estabelece aqui, definitivamente.

  • 1783 Fixação dos limites das Villas de São José Del'Rei, Pitangui e São Bento do Tamanduá.

  • 1785 Os familiares de José Carvalho Trindade
(primeiro padre e professor do Arraial) se desentenderam, causando uma tragédia com o registro de três mortes no lugarejo denomidado: CHORO.

  • 1828 Desde esta data; no mês de Agosto, grupos de reinado desfilam em numeroso cortejo.



  • 1830 No dia 23 de maio acontece um incêndio na Igreja da matriz; a primeira, com suas imponetes (duas) torres.

  • 1834 Início da construção da Capela do Divino – a segunda edificação – apenas uma torre.

  • 1841 O Distrito do Espírito Santo do Itapecerica passa a pertencer a Villa São Bento do Tamanduá (hoje cidade de Itapecerica).

  • 1841 Luciano da Silva Gama e sua mulher, Anna Maria de Oliveira vedem parte de suas terras, num lugarejo de nome: LAJE.

  • 1843 Joaquim de Oliveira Costa hipoteca uma casa na Viagem das Oliveiras; hoje, bairro Bom Pastor.

  • 1844 Clementino José Pereira passa escritura de doação de casas, localizadas abaixo de São José dos Cvampos – ERMIDA ao seu sócio.

  • 1844 Registra-se a primeira epidemia de varíola com seis óbitos.

  • 1846 O Estatuto da Irmandade do Rosário do Arraial do Divino Espírito Santo era registrado no cartório de Pitangui.

  • 1847 Manoel Alves Vieira vende suas terras de cultura para outras mãos.

  • 1851 Construção da Ponte de madeira sobre a Cachoeira Grande pelo capitão Domingos Francisco Gontijo.

  • 1875 Don Viçoso hospeda-se na Fazenda de Domingos Gontijo, no Gafanhoto (fazia divisa com o bairro Bom Pastor) tornando-se uma tradição hospedar missionários.


  • 1876 É erguido o Cruzeiro da Comunidade de Lagoa.

  • 1876 Os bichos ferozes, num lugar ermo; repleto de matas escuras; logo ganhou o nome de Cemitérios dos Vivos
(hoje correspondente a parte do bairros: Bom Pastor, Xavante, Serra Verde, Oliveiras, Candelária; até a Cachoeira do Caixão.

  • 1887 Nasce o Coronel Jovelino Rabelo – patrono da indústria e comércio.

  • 1888 Aportou-se por essas bandas um médico de nome: José Xavier Coelho, natural de Água Limpa – o primeiro que se tem notícia que aqui chegou para clinicar.

  • 1890 Com a chegada da estrada de ferro Oeste de Minas, inaugura-se a primeira estação ferroviária, construída na Rua do Comércio.

  • 1891 Firmino Cardoso de Azevedo fecha a estrada de acesso a Braúna deixando a passagem que vai ao Corrégo Sujo ( hoje, bairro Candelaária); alongando em muito o trajeto a ser percorrido.


  • 1894 Expedida a primeira certidão da Escritura de Doação de Patrimônio por Manoel Fernandes Teixeira.

  • 1895 Francisco Ferreira Fontes constrói um Cemitério murado de pedras em Santo Antônio dos Campos – ERMIDA e faz doação de terras de sua fazenda para a Igreja do Rosário.

  • 1907, Afonso Pena; então presidente da República Fedrativa do Brasil, autoriza a construção das linhas de ferro Henrique Galvão/ Belo Horizonte - Henrique Galvão / Garças.

  • 1910 O senhor Adolfo Machado organiza o primeiro cordão carnavalesco.


  • 1910 Fundação das Oficinas da Rede Ferroviária Federal S/A – RFFSA – importante empreendimento para alavancar o progresso de Divinópolis e região.

  • 1911 A Lei Provincial 556, cria o Arraial de Henrique Galvão.

  • 1911 A região começa a produzir e exportar lenhas, dormentes, cereais, cavalos e gado.

  • 1913 Fundado o único clube daquela época - Primeiro de Junho.


  • 1914 Inaugurado o sobrado que abrigou a primeira Câmara Municipal e mais tarde a Cadeia Pública.

  • 1915 A Villa Henrique Galvão é elevada a categoria de cidade, passando a ser denominada, Divinópolis – “Terra do Divino”.



  • 1917 Falece Padre Matias Lobato

  • 1918 Foi inaugurado o primeiro Grupo Escolar de Divinópolis – “Padre Matias Lobato”.

  • 1918 A área do município ainda continha trechos de matas virgens; algumas em capoeiras, mais de 50 fazendas agrículas e pastoris (entre as quais a de Manoel Antônio de Almeida, do CHORO com 450 alqueres e 300 cabeças de gado bovino das raças: zebu e caracu).

  • 1918 Inauguração da Santa Casa de Misericórdia, hoje; Lar dos Idosos.

  • 1918 A gripe espanhola assolou a região e matou cerca de 200 pessoas; inclusive dona Antônia, irmã do Padre Guaritá.
  • 1920 Inaugurado o Sistema de Luz Elétrica, gerada na Usina São José – próximo a Carmo do Cajurú e que se encontra ainda em atividade.

  • 1920 Inaugura-se o primeiro Posto de Saúde sob a chefia do médico Cassemiro Laborne Ravares, na então Villa Operária; hoje, bairro Esplanada.


  • 1922 Inaugura-se o primeiro templo da Igreja Batista local.

  • 1923 Surge o primeiro estabelecimento de ensino secundarista - “Liceu Divinópolis”.

  • 1923 O grã-mestre José dos Santos Portela funda em Outubro, a Loja Maçônica Estrela do Oeste.

  • 1923 Inaugurada a Loja Maçônica Estrela do Oeste de Minas.

  • 1923 O território é aumentado com a incorporação do
Distrito de Santo Antônio dos Campos – Ermida, então desmembrado do município de Itapecerica.

  • 1924 Chegam os primeiros frades da Ordem dos Fransciscanos Menores – O.F. M.

  • 1925 Restavam 3.500 hectares de matas na totalidade de 57.800 da área existente na zona rural.

  • 1926 Instalação do Cimitério do centro.

  • 1929 Surge a Escola Normal “Mário Casasanta”, hoje, Instituto Nossa Senhora do Sagrado do Sagrado Coração.

  • 1930 Nomeação de Pedro X. Gontijo para o cargo de Interventor Municipal.

  • 1930 Instalada a Superintendência da Companhia de Saúde Pública – SUCAM que em 1991 passa a ter outra denominação: Fundação Nacional de Saúde.
  • 1931 Instala-se a primeira Usina de Álcool Motor da América Latina - “Usina Engenheiro Gravatá”.

  • 1931 Falece o patriarca de família tradicional de Divinópolis, Francisco Machado Gontijo.

  • 1933 Conclusão das obras para construção da sede própria da Santa Casa de Misericórdia; hoje, abrigando o Asilo dos Velhos.
  • 1933 A Rede Mineira de Viação – RMV auxiliava a manutenção do Serviço de Malária mas, não conseguiu impedir a epidemia de maleta de 1936 que registrou cerca de 200 óbitos.

  • 1936 Montada a gráfica da Comunidade franciscana.

  • 1938 Fundação do Divinópolis Clube por Palmério de Souza Ameno.

  • 1939 Vicente Alves dos Santos compra um sítio no Córrego do Barro, onde criava 10 vacas paridas; vendendo o leite excedente nas ruas.

  • 1942 Circula a primeira edição do Jornal “A SEMANA”.

  • 1942 Surge o Colégio São Geraldo, conhecido pela sua majestosa fanfarra.

  • 1943 Vicente Alves dos Santos adquiri a Fazenda de Parí (bairro São José).

  • 1945 Surge o Divinópolis Tênis Clube – D.T.C., para o orgulho de todo desportista.

  • 1950 Falece aos 85 anos de idade, o engenheiro Antônio Gravatá – responsável pela criação em Divinópolis, da Iª Usina de Álcoól Motor da America Latina (1939).

  • 1951 Um relatório da RMV lamenta a perda de extensas matas e o aniquilamento de amplas faixas de solo cultivável. A produção de carvão, apenas começava.

  • 1953 Surge um estudo de Lincol Luiz Bessa que observava que o forno siderúrgico a carvão vegetal tem sua inconveniência no desmatamento, no empobrecimento do solo, na degradação do clima e de outras condições ambientais.

  • 1954 José Alonso Dias funda o Estrela do Oeste Clube – E.O.C. Um sonho de meninos descalços. O clube nasceu no quintal da Loja Maçônica Estrela do Oeste, na Rua São Paulo, centro.

  • 1952 A Escola de Samba do Nonô, a TUPY, desfila com 03 carros alegóricos.

  • 1954 No bairro Niterói, instala-se a sede própria da Cooperativa Agropecuária de Divinópolis por iniciativa dos produtores rurais: José Gomes Branquinho e Moacir Gomes.

  • 1955 Em Divinópolis é instalado e sintonizado o primeiro aparelho de televisão – residência de Waldemar Silva Mello.

  • 1955 Inaugura-se a sede própria da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos de Divinópolis.

  • 1956 Com o progresso em plena expanção, instala-se a Laminação Pains.

  • 1956 Instalação das dependências do Ginásio São Tomaz de Aquino – Estadual do bairro Porto Velho.

  • 1958 Inicia-se as atividades da Escola Profissional São Francisco de Assis.

  • 1959 Em Divinópolis é instalada a DIOCESE.

  • 1959 A Companhia Energética de Minas Gerais – CEMIG se instala por aqui; tendo como titular, Elson Penha Silva.

  • 1959 Na localidade conhecida como Cemitério dos Vivos é realizada a Iª Festa do Milho.
  • 1959 É instalada a CAMIG que tenta reativar a primeira Usina de Álcool Motor da América Latina.

  • 1960 O senso agrário demonstra que o município tinha 405 peopriedades agrículas com 2.328 hectares cultivados, ocupando 2.640 pessoas com a atividade.

  • 1960 Frei Mariano promove a Festa da Colheita, no QUILOMBO, com muita diversões, missas e passeatas no caminho.

  • 1962 Construção do Terminal Rodoviário de Divinópolis - um assassinato a arquitetura de época; ao colocar a baixo, a praça X. Gontijo.

  • É fundado o Conselho de Assistência Rural por Frei Bernadino Leers – O.F.M. E Veneza Guimarães.

  • 1965 O Decreto Lei 8733 cria o Centro Industrial de Divinópolis “Jovelino Rabelo”.

  • 1966 A Província Franciscana da Santa Cruz do Brasil é transferida de Divinópolis para Belo Horizonte.

  • 1966 Instalaçãoe realização do Salão de Arte – INSPIRART.

  • 1966 Divinópolis abria a 6ª Delegacia Regional de Ensino com representatividade de 52 municípios; de Abaeté à Corrégo Dantas.

  • 1966 José Francisco Cabral inaugura a sede própria do Iate Clube de Divinópolis.


  • 1967 Inauguração do Hospital São João de Deus.



  • 1967 Começa a circular o Jornal Agora.

  • 1967 Dalmi Delgado Mesquita funda o Sindicato Rural de Divinópolis (patronal); alavancando de vez as atividades relacionadas ao agronegócio e fetivando os folguedos tradicionais, como a festa do peão boiadeiro.

  • 1968 Inaugura-se o Hospital São João de Deus – administrado pela Ordem Hospitaleira São João de Deus para servir a comunidade, totalizando 14.000 m2 de área construída.


  • 1968 Inauguração da Praça Governador Benedito Valadares – projeto premiado internacionalmente e idealizado pelo então arquiteto, Aristides Salgado dos Santos.

  • 1969 Realização da Iª SEMANA DE ARTE que lançou o escultor Geraldo Teles de Oliveira – G.T.O.

  • 1970 Surge a Loja Maçônica Mestre Rangel.


  • 1975 Chega a Divinópolis a Telecomunicações de Minas Gerais – TELEMIG com sede própria, operando em 68 municípios e 92 localidades da região, com cerca de 16 mil terminais.

  • Primeiras manilhas são colocadas
    1977 Divinópolis aloja a sede da Companhia de Saneamento Básico de Minas Gerais – COPASA com área de abrangência administrativa de mais de onze (11) municípios.

  • 1985 Inicia-se o ciclo da confecção de vestuários com a realização do Iº Salão de Moda de Divinópolis.




  • 1985 Morre assassinado, aos 52 anos, o maestro Ivan Silva.

  • 1987 Surge a Loja Maçônica Vertas Vincit.


  • 1989 Por iniciativa do empresário Lindolfo Fagundes, inaugura-se o primeiro Teatro em Divinópolis – THEATRON.

  • 1990 Falece o maior expoente das artes de Divinópolis; o escultor G.T.O.

  • 1991 Criação da Festa Nacional da Cerveja por iniciativa dos jornalistas: Itamar de Oliveira e Juca Mariano.

1 comentários:

pauloste39 disse...

anos 80 http://3.bp.blogspot.com/-UhuelaxcP7E/T4ckbg__Q6I/AAAAAAAAAqc/3iXP2LJXQk0/s640/trilhos+em+Divin%C3%B3polis.jpg

Postar um comentário